Item de NotíciaDia Internacional para a Educação Sexual desde a Infância: mobilização contra a interferência religiosa e política.
(Categoria: Press Release)
Postado por french
Segunda 18 Novembro 2019

Genebra, 18 de novembro de 2019 – 20 de novembro marca o Dia Universal da Criança das Nações Unidas e o quinto aniversário do dia Internacional para a Educação Sexual, promovendo a Educação Sexual desde a infância, tal como recomendado por especialistas de vários relatórios de investigação de instituições internacionais, incluindo UNESCO e o Gabinete Europeu da OMS.

“A educação com ênfase na sexualidade e no prazer desde a infância é um direito humano e uma necessidade absoluta para proteger meninas e meninos pequenos da discriminação e do abuso e para que eles aprendam a ter respeito por si próprios e pelos outros,” disse Clémence Linard, M.A.Ed, sexóloga e porta-voz para o Dia da Educação Sexual. “Ainda assim, apesar das recomendações baseadas em investigação científica, a posição de instituições tais como a UNESCO e de muitos países se enfraquece sempre que há interferência religiosa nesta questão da educação sexual,” continuou a porta-voz.

“Nenhuma pressão religiosa ou política regressiva deveria influenciar a ciência e a investigação, e isto é especialmente verdade para a educação e a sexualidade.”

Clémence Linard lembra-nos que em 2009, a UNESCO censurou um dos seus relatórios acerca da educação sexual, nomeadamente a parte que inclui explicação sobre a masturbação desde os 5 anos de idade, na sequência da pressão exercida por lóbis religiosos.

“Uma instituição internacional como a UNESCO deveria ser laica e impermeável a qualquer tipo de pressão religiosa,” disse. “O diretor geral desta instituição, no entanto, parece ter um vínculo especial com o representante da Igreja Católica, com quem ela se encontrou recentemente, enquanto que, de acordo com a agenda oficial, isto não é o caso para outros líderes religiosos,” salientou a porta voz.

Esta passagem, censurada pela UNESCO, ainda não foi republicada na versão atualizada do relatório de 2018, ainda que o Gabinete Europeu da OMS o tenha publicado, defendendo esta explicação desde a infância.

“A interferência político-religiosa é prevalente em muitos países, quando se trata de educação sexual,” acrescentou Clémence Linard. “Temos exemplos significativos na Polónia, Quebeque, Gana e África do Sul.”

Ela explica que na Polónia, a lei está a ser ratificada para banir e condenar à prisão quem fale de educação sexual, incluindo profissionais de saúde e educação. “Isto é uma situação muito séria. A Polónia é um dos últimos pilares do Cristianismo na Europa e uma força ameaçadora contra as correntes laicas e ateias, as quais o partido no poder apoia, neste momento,” expressou o coordenador do Dia da Educação Sexual na Polónia.

Clémence Linard também declarou que estudantes quebequenses podem ser removidos de aulas de Educação Sexual por razões religiosas, e que em África, são fortes as pressões religiosas, particularmente no Gana, um país pioneiro em termos da aplicação da educação sexual, e na África do Sul.

“A lei do silêncio, tabus e estigma acerca da Educação Sexual levaram à epidemia do SIDA no mundo e causam um grande sofrimento emocional em adolescentes, tal como em adultos, que não podem viver o que querem com satisfação, impedidos pelos seus líderes religiosos, alguns com a cumplicidade de instituições e poderes políticos. Ignorando dados científicos, promovem informação incorreta e desatualizada. Eles são responsáveis pelo sofrimento desnecessário de milhões de pessoas,” acrescentou a porta voz. “Os princípios diretores dos relatórios científicos são grandes passos em frente e devem ser aplicados sem serem censurados para assegurar que meninas e meninos pequenos sejam informados e protegidos desde a infância através de uma abordagem educacional apropriada,” concluiu.

O Movimento Raeliano lançou o Dia da Educação Sexual em 2015 como parte de uma campanha de sensibilização internacional para a educação sexual e para denunciar a censura – relacionada com pressões religiosas – e um apelo à republicação dos princípios diretores originais da UNESCO no que respeita à educação sexual.



Esta notícia é de Site de Imprensa Raeliano
( http://pt.raelpress.org/news.php?extend.82 )